2019
out
07
Foto: Faiara Assis
Intercâmbio

Professora vai ao Japão conhecer técnicas de reciclagem

O propósito da viagem é aprender novas técnicas de reciclagem de produtos oriundos dos chamados lixos eletrônicos

A professora dos cursos de Computação da Universidade Católica de Brasília (UCB), Graziela Guarda, realizará um conjunto de visitas técnicas no Japão, que se inicia no Departamento de Engenharia Ambiental e de Energia da Universidade de Tóquio e se estende à usina recicladora, museus e espaços onde a coleta dos resíduos sólidos são realizados no país, buscando aprimorar os conhecimentos e dialogar com pesquisadores que têm desenvolvido pesquisas bastante avançadas sobre reciclagem de lixo eletrônico. Um exemplo disso foi a confecção das cinco mil medalhas olímpicas que foram produzidas para as próximas Olimpíadas de Verão de 2020, em que os metais ouro, prata e cobre foram extraídos via reciclagem dos equipamentos eletroeletrônicos obsoletos, de forma sustentável.

A viagem começa no dia 8 de outubro e é uma atividade referente ao projeto de pesquisa “Reiniciar Tecnologias Sustentáveis”, da qual a professora é uma das pesquisadoras. O projeto Reiniciar, fomentado pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAPDF), desenvolve suas atividades com enfoque em minimizar o desperdício e os impactos ambientais gerados pelos resíduos eletroeletrônicos.

O objetivo do projeto é buscar soluções sustentáveis voltadas para a implementação de práticas de reuso, descarte e reciclagem de equipamentos eletroeletrônicos obsoletos e está estruturado em cinco eixos: 1) Reaproveitamento de equipamentos eletroeletrônicos descartados; 2) Estudos sobre logística reversa, para descarte e retorno dos componentes para seus fabricantes; 3) Estudo das possibilidades de reciclagem e dos impactos ambientais do descarte inadequado de lixo eletrônico, destacando a extração de metais; 4) Determinação do grau de corrosão / desgaste / intemperismo de componentes eletrônicos e sua perda de elementos ou compostos químicos em amostras de solo e; 5) Ações de educação ambiental e de conscientização com a comunidade sobre as consequências do descarte inadequado do lixo eletrônico.

“O intuito da visita é dialogar com outros professores que também desenvolvem pesquisas nessa área; conhecer os equipamentos e materiais utilizados para reciclagem dos eletroeletrônicos; compreender aspectos mais específicos de legislação japonesa e como ocorre a entrega do lixo comum e do lixo eletrônico; conhecer espaços comunitários, museus e usinas recicladoras para ver na prática como os resíduos são tratados no país. Essa é uma grande oportunidade de troca de experiências e compartilhamento de práticas que podemos nos espelhar para desenvolver no Brasil. O Japão é um país que tem investido de forma significativa para se tornar um modelo de sustentabilidade mundial e tanto no aspecto de legislação quanto da população se percebe um esforço conjunto em prol dessa mudança e consciência ambiental. As usinas recicladoras do país hoje conseguem reciclar 96% do lixo coletado, de modo que somente 4% do lixo total do país não é reaproveitado ainda”, relata a professora Graziela.

Além da visita à Universidade de Tóquio, outros espaços serão visitados, como se destaca:

Saitama Prefectural Environmental Management Center – Primeira usina de tratamento de resíduos instalada no país e mais avançada. É um local de disposição final para o lixo doméstico e industrial, que utiliza medidas de proteção ambiental como prioridade máxima. A usina dispõe de um sistema de controle de carregamento e estação de tratamento de lixiviados, usando a tecnologia líder, juntamente com um critério rigoroso de controle baseado no acordo de prevenção da poluição.

Tokyo Waterworks Historical Museum – O museu Histórico do Sistema Hidroviário de Tóquio guarda registros desde o século 17 acerca de todo o sistema de abastecimento de água da Tokyo Waterworks. O sistema hidráulico da Era Edo foi chamado “Josui” (água limpa). A água era guiada através de condutes de pedra ou madeira gerando água limpa. A população utilizava essa água para beber e para uso diário. Porém, devido à contaminação dos canais e deterioração da madeira, novas demandas de construção de sistemas hidráulicos se fizeram necessárias. Desse modo, em 1898 a Tokyo Waterworks começou a fornecer água da Estação de Purificação de Yodobashi. Desde então, a Tokyo Waterworks vem promovendo medidas para garantir recursos hídricos de qualidade e melhora nas instalações, a fim de fornecer um suprimento constante e estável de água potável.

Electronic Waste Collection Station – Visitas aos diversos postos de coleta de resíduos eletroeletrônicos distribuídos no país para conhecer o processo de recolhimento de lixo implantado e o sistema de logística e logística reserva aplicadas aos equipamentos eletroeletrônicos.

Publicado por Rodrigo Eneas

Notícias Recentes

07 outubro 2019
Empresas do DF importam flores, bússolas e até sangue
04 outubro 2019
Curso de Odontologia da UCB celebra os seus 20 anos de fundação
02 outubro 2019
Confira as notícias do mês de setembro