2019
out
08
Foto: Faiara Assis
Institucional

Entre universidades particulares, religiosas lideram ranking

Instituições tradicionais contratam professores em tempo integral e firmam parcerias internacionais

O contingenciamento das verbas e educação pelo governo federal neste no fomentou uma discussão sobre a produção científica das universidades privadas.

Em abril, o presidente Jair Bolsonaro colocou lenha na fogueira ao declarar que quem faz pesquisa no Brasil são as universidades privadas.

Os dados não embasam a declaração: mais de 95% das pesquisas do país são feitas por instituições públicas, segundo estudo da Clarivate Analytics para a CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

Apenas quatro particulares estão entre as 50 instituições de maior destaque na área, de acordo com o Ranking Universitário Folha (RUF) 2019. Com uma característica em comum: são todas confessionais ou religiosas.

“São instituições criadas nos anos 1950 e 1960 com todas as características de universidades públicas e que podem se dar ao luxo de pagar parte do custo envolvido”, diz Elizabeth Balbachevisky, coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Políticas Públicas da Universidade de São Paulo (USP).

Mas a falta de pesquisa não é nenhum demérito para as particulares, de acordo com Helena Sampaio, professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

“É assim praticamente no mundo inteiro: as particulares são concebidas como universidades de ensino, de formação para o mercado”, diz.

O setor provado responde por 75% da demanda de ensino superior. Temos quase 200 instituições, cerca de metade delas particulares. É muito querer que todas elas façam pesquisa”, afirma helena.

“A condição básica é ter professores em regime de tempo integral, até para disputar recursos públicos destinados a esse fim. Também é preciso ter uma boa infraestrutura”, afirma Elisabeth.

Na Universidade Católica de Brasília, 5ª no ranking das particulares, 90 dos cerca 500 professores trabalham em programas de pós-graduação stricto sensu. “Cada um deles tem que dedicar 50% das suas horas de trabalho aos projetos e ao acompanhamento dos alunos, seja em mestrado ou doutorado”, diz Jardelino Menegat, reitor da instituição. Entre 2018 e 2019, foram aprovados 214 projetos, a um custo de R$ 19,7 milhões de fomentos externos.

A PUC-RS tem 11 programas de pós-graduação com nível de excelência internacional e cerca de 1.700 projetos em andamento. Como também são afetadas pelo contingenciamento, esses ilhas de excelência do setor privado estão buscando parcerias nacionais e internacionais, com apoio do Programa de Internacionalização da Capes.

“Temos incentivado também o compartilhamento interno das estruturas de pesquisa, como laboratórios e equipamentos”, diz Fernanda Marrone, diretora de Pesquisa da PUC-RS. “Outro ponto importante é a busca de parcerias com empresas”, completa.

Confira o texto completo clicando aqui.

Matéria da Folha de S. Paulo

Publicado por Universidade Católica de Brasília

Notícias Recentes

29 maio 2020
Comunicado Oficial
29 maio 2020
UCB abre inscrições para processo seletivo de grupos de pesquisa
19 maio 2020
Programa de Iniciação Científica e Tecnológica abre inscrições