2020
fev
05
Biblioteca

Exposições Cotidianos Brasilienses e Percepções

qua, 05 fev, 08:00 - sáb, 29 fev, 21:00
Local: Biblioteca Central

A Biblioteca Central da UCB está abrindo o semestre com a Exposição Cotidianos Brasilienses, de Andréia Pessoa, e a Exposição Percepções, de Lia Paes.

 

EXPOSIÇÃO COTIDIANOS BRASILIENSES

A ARTISTA

Andréia Pessoa nasceu em Aparecida do Norte – São Paulo, mas radicou-se em Brasília ainda muito jovem. Desde criança é apaixonada por arte, entretanto não teve a oportunidade de estudar nessa área. É formada em Letras pela UDF, sendo, portanto, autodidata em artes plásticas. Apesar do pouco tempo de atividade, Andréia vem exercendo o ofício de artista visual e participando de algumas exposições individuais e coletivas. Em março de 2018 recebeu Menção Honrosa da Academia Vicentina de Letras, Artes e Ofícios Frei Gaspar- S.P., pela obra Relíquias de uma mulher.

A EXPOSIÇÃO

Na mostra Cotidianos Brasilienses, a artista utiliza a técnica óleo sobre tela e, de forma única e pungente, Andréia nos apresenta a Capital da República através de seu olhar, tendo como foco principal o trabalho figurativo, ao qual procura dar um aspecto contemporâneo e autêntico, com traços que perseguem a idiossincrasia artística. Tendo como contorno de seus quadros a azulejaria mineira, portuguesa e de Athos Bulcão, Pessoa mostra as belezas de Brasília e do Distrito Federal, sem deixar de lado as contradições e desigualdades de nossa nação, representada aqui por sua capital.

Por fim, a exposição Cotidianos Brasilienses traz o belo entre cores e formas de sua arte, uma reflexão sobre o momento obscuro vivido pela arte no Brasil, apostando num porvir mais colorido, mais iluminado e diverso.

 

EXPOSIÇÃO PERCEPÇÃO

A ARTISTA

Lia Paes desenha e pinta desde a infância. Na adolescência fez curso de desenho e, no momento, dedica-se integralmente à arte. Participou de inúmeras exposições, coletivas e individuais, e é filiada à Associação Candanga de Artes Visuais (ACAV).

A EXPOSIÇÃO

A vida moderna é um mar de imagens. Nossos olhos são inundados por figuras explodindo por todos os lados. O cérebro, superestimulado, deve se adaptar rapidamente para conseguir processar esse rodopiante bombardeio de cores. As imagens contribuem para o esclarecimento do papel do tempo como modulador da experiência humana.

A percepção, então, está confiada à decomposição ou soma dessas grandezas constituintes (tempo, espaço e velocidade), pois, em nossa cognição, estão combinadas sensações e percepções internas e externas.

Dessa forma, numa pintura, os movimentos se revelam em uma série de localizações especiais, indicando ao observador vários padrões de mudança.

 

Publicado por Sistema de Bibliotecas

Eventos Recentes

qua, 05 fev - sáb, 29 fev
Fortalecimento da Função Pública da Fundación Botin