2019
ago
07
Foto: Faiara Assis
Acolhida

Católica acolhe estudantes do Câmpus Ceilândia

Após as boas-vindas da Reitoria, estudantes acompanharam palestra do professor Diego Nolasco

Estudantes calouros e veteranos do Câmpus Ceilândia da Universidade Católica de Brasília (UCB) participaram nesta terça-feira (6) de acolhida que marcou oficialmente o início do segundo semestre de 2019. Os presentes foram recepcionados pela Reitoria da Universidade e na sequência assistiram à palestra “Genialidade Tupiniquim”, do professor do curso de Física da UCB Diego Nolasco.

A abertura do evento ficou a cargo do capelão da Católica, padre Tininho, que saudou os presentes com uma mensagem de fé e desejou um ótimo semestre a todos os estudantes. “Este é um momento muito importante. Vocês estão iniciando um caminho e não sairão [da UCB] do jeito que entraram. Vindo para a Católica, vocês estarão em boas mãos”, disse.

Na sequência, o pró-reitor Acadêmico, Prof. Dr. Daniel Rey de Carvalho, deu boas-vindas aos estudantes. “É um momento de grande satisfação estar com vocês. Que nossas esperanças se concretizem ao longo do semestre. O Câmpus Ceilândia foi a última semente que plantamos, e estamos só começando. A expectativa é de gerar muitos bons frutos”, declarou o professor.

O pró-reitor de Administração, Prof. Me. Júlio Cesar Lindemann, também falou sobre as atividades do novo câmpus. “A Universidade tem 45 anos, seis meses de [Câmpus] Ceilândia, ainda um bebê. Vocês estão aqui para transformar a unidade também numa potência. Vocês um dia sairão da Católica, mas ela nunca mais irá sair de vocês”, destacou Lindemann.

Genialidade Tupiniquim

Após a participação da Reitoria, o professor Diego Nolasco ministrou a palestra “Genialidade Tupiniquim”. De entrada, declarou a todos: “vocês estão aqui porque visam a excelência, um futuro muito melhor que o presente”.

O cientista focou na discussão do papel da universidade e sugeriu que todos repensem o ambiente acadêmico, para que então seja formada uma “universidade genuinamente brasileira”. “A busca pela verdade é o que move a universidade, que deve ser comprometida com o desenvolvimento de soluções para a sociedade. A universidade não deve produzir apenas mão de obra, mas também líderes do futuro. É necessário um processo de disrupção”, acredita.

Para essa reformulação no meio acadêmico, o professor propõe novos modelos de ensino, pesquisa e extensão. “Em sala de aula, o conteúdo tem de ser demandado, não oferecido. A aprendizagem tem de ser ativa, um envolvimento dinâmico. É inconcebível que o aluno mantenha uma postura passiva em sala de aula. Com relação às pesquisas, o foco tem de ser no desenvolvimento de soluções e produção de tecnologias, produção guiada por um propósito. A extensão tem de oferecer envolvimento com a sociedade, oferta de serviços e produtos, entregar valor em benefício do outro”, sugeriu Nolasco.

Publicado por Rodrigo Eneas

Notícias Recentes

21 agosto 2019
UCB acolhe estudantes do Câmpus Sobradinho
16 agosto 2019
Estudantes da UCB participam do Pet-Saúde no CEF do Areal
15 agosto 2019
Medicina da UCB comemora 18 anos